33 Cartas de Montmartre

de Nicolas Barreau 

Título Original: Die Liebesbriefe von Montmartre

ISBN: 9789898866998

Edição: 07-2020

Editor: Editora Minotauro

Páginas: 244

Género: Romance

Onde Comprar

Wook

Bertrand

Goodreads: 3,82✯ (aqui)

Sinopse

Ao perder a mulher, prematuramente, Julien Azoulay, escritor aclamado, deixa de acreditar no amor, perde a fé no lado mais feliz da vida – e com ela sua capacidade de escrever. Antes de morrer, Hélène faz o marido prometer-lhe que lhe escreverá 33 cartas, uma por cada ano da sua curta vida. Para seu espanto, Julien dá-se conta de que esta «correspondência», que deixa numa gaveta secreta na campa da mulher, no cemitério de Montmartre, acaba por ser o seu único conforto na perda.

Até que um dia descobre que as cartas desapareceram e, no lugar destas, encontra alguma pistas… O que Julien não sabe é que alguém o observa. Alguém que lê as cartas e que o quer ajudar. Alguém que se apaixonou por ele.

A Minha Opinião

Julien perdeu a esposa devido ao cancro, ela antes de morrer pede-lhe que escreva 33 cartas, uma por cada ano da sua vida. Ele, escritor de profissão, demora meses a escrever a primeira, perdido entre o filho e o seu próprio sofrimento. Mas depois de começar, percebe o quanto aquelas cartas o ajudam a superar a perda. 

Além a história de Julien, vamos descobrindo pela voz dele, Paris, com foco em Montmarte que é um bairro parisiense, com um cemitério muito descrito no livro, mas que confesso que depois de uma pesquisa no Google me desiludiu. Independentemente disso, as descrições do autor fazem-nos viajar para aquele bairro, e isso é muito bom.

Gostei bastante do Julien, é um bom homem que está a passar por um período difícil, mas tem a mente sã. Fuma muito, mas preocupa-se com o filho acima de tudo. Senti empatia por ele, como não senti por outras personagens em livros anteriores. 

Cemitério de Montmartre, Paris, França (Escolhi a melhor foto que encontrei)

De negativo destaco o tamanho do livro. É muito curtinho, e muitas vezes não aborda as questões a fundo, e passa tudo muito depressa. Contudo isto também é um ponto positivo para quem não gosta de palha, e quer um livro leve e simples de ler, depende dos vosso gosto. Como eu cada vez mais gosto de livros que não me aborreçam, e que me transportem para outras realidades, por isso esta leitura foi agridoce.

Este livro não é uma inovação, encontramos semelhanças com “P.S. Eu amo-te” ou “Tudo o Que Não Dissemos”, só que numa relação inversa, pois aqui é o cônjuge vivo que enviar as cartas para o falecido, e não o contrário. Não descobrimos segredos da falecida, ela está lá no seu cantinho, mas sim acompanhamos a forma de Julian de lidar com a dor, e ele vai relatando isso à sua esposa, esteja ela onde estiver. 
É sem dúvida um livro que recomendo para quem gosta destas histórias, em que se ultrapassa a dor da perda e se percebe que a vida não terminou. 

Classificação

Leitura com Apoio

Edições Pelo Mundo Fora

P.S: Este post contém links de afiliados. Para saber mais sobre clique aqui.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial