Eu adoro falar com autores, e quando tenho a oportunidade de conversar com autores estrageiros é maravilhoso. A autora de hoje é americana e é conhecida pelas suas sagas familiares de romances de época. Em Portugal estão dois livros traduzidos pela Quinta Essência, que eu já li e gostei bastante. Falo-vos de Grace Burrowes.

Antes de mais, muito obrigada por me ceder esta entrevista. Quando nasceu o seu amor ela escrita?

Meu amor pela escrita começou muito cedo na minha vida e provavelmente surgiu devido aos meus pais lerem para mim e para os meus irmãos, histórias para adormecer antes de eu ter idade suficiente para ir para a escola. Tenho idade suficiente para que isso seja anterior à televisão, então era através das histórias que chegávamos mais perto de visitar outras épocas e lugares sem sair de casa. Achei isso mágico e tornei-me uma leitora voraz muito cedo.

Aqui em Portugal, infelizmente, apenas os dois primeiros volumes da série Windham Brides foram traduzidos. Esta série está relacionada com série Windham. Como surgiu a ideia de criar todas essas histórias?

Sou uma de sete irmãos e tendo a pensar nas histórias que ocorrem num contexto familiar. Conheci Percival Windham e sua família num conto anterior (Douglas) e queria saber mais sobre eles. Escrever as suas histórias era a melhor maneira de o fazer, e então ocorreu-me que o Percival tinha um irmão e a família dele também.

Por exemplo, a série Windham tem 8 livros, como é que consegue criar tantas histórias em torno da mesma família e cativar constantemente o leitor?

Obrigado por essas palavras gentis, mas eu penso nas personagens como as pessoas da vida real. Cada um de nós tem experiências, forças e feridas únicas. Uma das coisas interessantes sobre as famílias é que um incidente que foi pequeno para alguns membros da família pode ser um grande transtorno para outros. Eu acho isso fascinante.

Muitos dos livros que escreveu são romances de época o que a atrai neste subgénero do romance?

Quando comecei a ler romance, os romances históricos eram tudo o que estava disponível. O romance contemporâneo surgiu mais tarde, depois de a Regência e os contos medievais já se terem tornado populares. Então, eu cresci lendo históricos e sempre gostei de seu aspeto de “há muito tempo atrás e muito longe”. Isso permite alguma distância entre o leitor e o mundo da história, e é nessa distância que um autor pode abordar questões e questões que, em um contexto moderno, seriam mais difíceis de abordar com a mesma sutileza.

Quão importante é para si a opinião do leitor?

Isso depende do leitor. Para algumas pessoas, as histórias que escrevo simplesmente não são interessantes. Esses leitores preferem uma abordagem diferente do romance, talvez menos detalhes históricos ou um tipo diferente de protagonista. Esse leitor não ficará feliz com o que eu escrevo, e ninguém deveria ter que ler um livro insatisfatório. Quando esse tipo de leitor fica desapontado com minhas histórias, o que eu quero é que eles continuem procurando autores que os satisfaçam, porque há muitos escritores talentosos trazendo livros para o mercado atualmente. Mas quando um leitor aprecia minhas histórias e encontra conforto e prazer nelas, isso significa muito para mim.

Alguma vez pensou que os seus livros seriam traduzidos para diversos idiomas? 

Não. Nunca pensei que meus livros seriam publicados em inglês. Comecei escrevendo simplesmente para minha própria alegria e ainda escrevo para alegria, mas escrever para dar alegria aos outros é o melhor dos dois mundos.

Qual é a sensação de ver leitores de todo o mundo a comentar os seus livros nas redes sociais?

Aquece meu coração ao pensar que não importa de onde viemos ou em que fase da vida estamos, uma história de “felizes para sempre” pode ser significativa e agradável para nós. O amor é importante, independentemente da nacionalidade ou das crenças. Eu acho isso maravilhoso.

Se tivesse um jantar e pudesse convidar 3 personalidades de qualquer período da história, quem seriam e porquê?

Pergunta interessante. Eu provavelmente escolheria Robert Burns, porque acho que ele era um intelecto multiforme e um belo encantador com um génio para a arte da palavra. O duque de Wellington, porque era outro belo encantador e também um soldado brilhante que fez a transição para estadista num momento crítico. Alexander Hamilton, para que eu lhe pudesse dizer para não lutar naquele duelo idiota!

Está trabalhando num novo projeto? Se sim, o que pode nos contar sobre isso?

Estou a dar os toques finais em mais duas histórias da série True Gentlemen, uma para Daisy Dorning e outra para Sycamore Dorning. Esta é outra grande série familiar (ou acabou sendo assim) e eu realmente gostei de explorar os laços entre irmãos e a dinâmica familiar – e os felizes para sempre também, é claro! Truly Beloved será lançado em janeiro, e The Last True Gentleman será lançado em fevereiro.

Por fim, o que gostaria de dizer aos leitores portugueses?

Boas Leituras!

Onde pode conhecer mais sobre a autora

Site

Instagram

Facebook

Twitter

Goodreads

1 Comment

  1. Olá olá!!!
    Que entrevista fantástica!! Adorei. Não conhecia a autora (por incrível que te pareça!), mas fiquei curiosa!!
    Beijocas e BOM ANO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial