Os tempos que estamos a passar são difíceis a muitos níveis, e com os negócios fechados o dinheiro não estica. Apesar de não concordar com a atitude do governo, considero o livro um bem de luxo, unicamente pelos preços praticados em Portugal. Pagar 20€ por um livro é muito dinheiro, e por isso hoje trago formas de ler gratuitamente sem estar a cometer um crime punível por lei.

Todos nós sabemos que nos meandros da internet encontramos livros, essencialmente em português do brasil e em inglês, mas é uma atividade ilegal, e pergunto-me o que passa pela cabeça das pessoas que partilham fotos na internet, ou colocam nos stories no instagram a perguntar se lhe arranjam o ebook x ou y.

Mas o que vos trago hoje é formas de ler gratuitamente, e não estar a cometer nenhum crime, por sim, é possível fazê-lo, e não é preciso ser influencer e as editoras oferecerem livros. Contudo é essencialmente para quem lê em inglês. Sim, o mercado nacional é pequeno para algumas destas ideias, mas a verdade é que em alguns pontos podia efetivamente evoluir.

Biblioteca

A única ideia que é para quem lê em português. Dizem que o mercado livreiro vendeu menos por causa da pandemia, contudo eu acho que as bibliotecas chegaram a mais pessoas. Com as entregas ao domicílio (exceto a do meu concelho, o que é fantástico), muitas pessoas aproveitaram para ler, e isso é fantástico.

Além disso, é a melhor forma de conhecer novos géneros e autores sem pensar em “Vou gastar dinheiro e se não gosto?”. É como estar numa livraria e podermos trazer o que queremos, com o senão, que não ficam na nossa estante.

Sites de Reviews

Não sei bem como os definir. Descobri o Netgalley graças a um vídeo da Vanessa Teixeira, e tenho lido muitos livros de lá, principalmente infantis/juvenis e BD.

Basicamente vocês recebem o livro em ebook em troca da vossa opinião, muitas vezes antes do seu lançamento o que é fantástico. Há de todos os géneros, numa variedade que só mesmo em inglês podia efetivamente haver.

É importante não pedirem muitos livros, porque em alguns casos vocês solicitam o livro e a editora pode ou não aceitar, e tem em conta o vosso perfil, que tem uma taxa de “opiniões dadas” que pode influenciar.

Posteriormente conheci outros sites do género, como o Edelweiss, BookSirens entre muitos outros!

Newsletters

Quem diria que essas malditas que tanto spam fazem podem trazer coisinhas boas.

É verdade é regular receber newsletters de autores onde posso ler gratuitamente dezenas de livros. Sim, porque eles se unem e partilham nas newsletters uns dos outros, o que é fantástico. Assim, os fãs de da X podem conhecer o trabalho de Z.

Por exemplo, lembro-me de quando subscrevi a newletter da Vi Keeland recebi um audibook dela, um conto, mas não deixa de ser muito bom.

Além disso, muitas vezes só de subscrever a newsletter já recebem alguma coisa, ou um livro mais antigo do autor ou um conto.

É bastante interessante ver como nisto os portugueses estão atrasados. Conheço poucos autores com newsletters, ou a oferecer algo ao leitor, nem que seja um simples 1º capítulo, então unirem-se para fazer uma campanha em conjunto é raro. Falta uma cultura de marketing no mercado literário em Portugal, não é só editar um livro e preciso saber vendê-lo. Mas isto é um assunto para outro post.

Usam alguma destas formas?
Conhecem mais alguma?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial