Vicki Grant é uma autora canadiana com mais de 20 livros publicados. Em portugal está traduzido o seu romance Young and Adult “36 Perguntas que me fizeram gostar de ti”, que tem feito a delicia dos leitores. Hoje a conversa é com a autora!

Primeiramente, obrigada pela oportunidade de conversar consigo. Como começou o seu amor pela escrita?

Na verdade, comecei minha carreira como copywriter publicitária. (Gosto de dizer às crianças que a primeira coisa que fui paga para escrever foram seis palavras. Era um anúncio para a lateral de um autocarro). A partir daí passei a escrever roteiros para a TV pré-escolar, eventualmente tive minha própria série canadense televisão. Foi essa experiência que inspirou o meu primeiro livro, um romance cómico de ensino médio chamado The Puppet Wrangler.

Grande parte dos livros que escreveu são mistérios. O que mais a cativa neste género literário?

Eu sinto-me mais confiante a escrever mistérios do que outros tipos de romances, acho, porque tenho mais certeza de que o leitor ficará comigo durante todo o livro. Eu acho que se algo realmente mau acontecer no primeiro capítulo, a maioria das pessoas vai querer ficar até descobrir quem é o responsável.

Escreve também para os mais jovens. Qual é o maior desafio ao escrever para jovens leitores?

Acho que o maior desafio é garantir que a voz dos personagens seja autêntica. Não tenho a mesma idade dos meus protagonistas – longe disso! Não quero que as minhas personagens jovens pareçam mulheres de meia-idade.

Dos seus 20 livros, apenas 36 Perguntas Que me Fizeram Gostar de Ti foi publicado em Portugal. Quando viu o estudo de psicologia, pensou “Eu tenho que escrever sobre isso”, ou foi algo mais ponderado?

Li sobre o estudo e liguei para o meu agente imediatamente. Realmente parecia que tinha sido feito para uma comédia romântica YA. Terminei de escrever o livro em poucos meses.

O livro tem tido boas críticas em Portugal, mas o final não deixou todos felizes (eu incluída). Pensou em escrever um segundo livro?

Pensei, de facto. A certa altura, pensei em fazer uma série, cada livro focava num casal diferente, que estavam a fazer o estudo juntos, mas os resultados eram totalmente diferentes.

Usa storyboards ou um mapa com os pontos essenciais para desenvolver os seus enredos e interações, ou segue o ritmo, o seu instinto e a sua intuição?

Nalgum lugar no meio disso. De modo geral, começo com uma ideia inicial e muitas vezes vaga sobre a qual fico a pensar um pouco, sem saber ao certo para onde ela irá. No processo, tenho uma noção de quem são as personagens e, mais ou menos, como o livro vai terminar. Então começo o processo de escrita. Nalgum lugar ao longo da linha – geralmente a metade do caminho – eu percebo que fiz uma trapalhada gigante e não sei mais para onde estou a ir. Nesse ponto, paro e traço um esboço, o que me faz avançar de novo, apesar de que raramente vou me limitar a isso. (Como pode ver, tenho uma abordagem bastante livre para escrever.)

Alguma vez pensou que os seus livros seriam traduzidos para vários idiomas?

Eu certamente esperava que sim! 36 QUESTIONS não é o primeiro dos meus livros a ser traduzido para diferentes idiomas, mas é o que mais foi traduzido.

Dá a sua opinião sobre as capas das edições internacionais ou deixa isso a critério das respetivas editoras?

Depende. Em 36 PERGUNTAS, alguns países pediram minha opinião, mas a maioria não. Foi uma boa surpresa quando os livros chegaram pelo correio.

Uma pergunta muito difícil de fazer, mas qual é o seu romance favorito daqueles que você escreveu e qual foi o mais emocionante de escrever?

Meu romance favorito é provavelmente um mistério YA / romcom chamado NOT SUITABLE FOR FAMILY VIEWING. O mais empolgante de escrever foi meu primeiro, THE PUPPET WRANGLER. Foi enquanto o escrevia que encontrei minha nova vocação!

Quais autores mais admira e a influenciaram?

Eu adoro vários autores canadenses, especialmente a Alice Munro, Carol Shields e Lisa Moore, embora eu não escreva nada parecido com elas. (Como gostaria de o fazer!)

Que conselho daria a aspirantes a autores?

Apenas escreva! Pare de se preocupar se o que escreve será “bom o suficiente”. Basta começar a colocar palavras na página. Essa é a única maneira de saber (ou melhorar!)

Pode-nos dar alguma ideia sobre quaisquer livros ou projetos futuros em que esteja a trabalhar?

Estou trabalhando em um romance de ensino médio chamado Green Velvet Dress, Worn Once. É sobre a tentativa de uma menina de 12 anos de se reconectar com a sua falecida avó.

Por fim, o que gostaria de dizer aos leitores portugueses?

Muito obrigada por me apoiar tanto! Adorei receber os vossos comentários sobre 36 PERGUNTAS e espero ter outro livro traduzido para o português em breve. Muito obrigada!

Onde Pode Conhecer mais sobre a Autora

Site
Facebook
Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial